Colesterol alto? Veja quais atitudes tomar para reduzi-lo

Quando o assunto é colesterol alto, a primeira imagem que vem na mente das pessoas é o corte de ovos, bacon e carnes gordurosas – uma vez que associam o nível de gordura desses alimentos com o problema. No entanto, não é cortando esse tipo de alimento da dieta que a situação melhorará de uma hora para outra. Afinal, o colesterol alto surge através da influência de uma série de fatores, como genética, sedentarismo e algumas doenças, como distúrbios na tireoide e insuficiência renal.

Comer adequadamente é apenas a ponta do iceberg. Mas ela é indispensável para prevenir problemas cardiovasculares e ajudar no controle e tratamento do colesterol. Pensando nisso, a Madrugão trouxe esse post completo para tirar as principais dúvidas sobre o colesterol alto – incluindo o que é, seus fatores de risco e dicas de como baixá-lo -. Acompanhe!

O que é o colesterol?

Quando pensamos em colesterol, instantaneamente o associamos a algo ruim. Mas, na realidade, ele é um tipo de gordura indispensável para o bom funcionamento do corpo humano, por fazer parte da estrutura de células de vários órgãos e outros tecidos, além de ter papel importante na formação de hormônios e da vitamina D, e ácidos biliares que atuam na digestão.

Apesar de existir os conceitos de colesterol “bom” e colesterol “ruim”, o colesterol é um só. A diferença está no seu meio de transporte que o levará ao seu destino. “Como assim?”, calma que explicamos.

Esse transporte depende das lipoproteínas, que nada mais são do que conglomerados de proteínas, gorduras e outras substâncias, que podem ser de baixa ou alta intensidade, além de apresentarem funções distintas.

O colesterol compreendido nas lipoproteínas de baixa intensidade é chamado de LDL. Esse tipo é o conhecido como mau colesterol, por levar o colesterol para as nossas células e, caso apresente-se em excesso, pode se aglomerar na parede das artérias, formando placas que aumentam o risco de infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Já o mocinho da história é o HDL, as lipoproteínas de alta intensidade, que “tira” o colesterol das células – evitando que as artérias fiquem obstruídas.

A soma de todo o colesterol recebe o nome de colesterol total. Essa medida, que determina o perfil lipídico, pode ser encontrada no resultado do exame laboratorial. E o colesterol é considerado alto quando há um nível elevado de LDL (colesterol ruim) e nível baixo de HDL (colesterol bom).

Qual o risco de ter colesterol alto?

A condição abordada acima – onde há a prevalência de altas taxas de LDL e baixas de HDL – é um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares, como a aterosclerose, infarto, insuficiência cardíaca e derrame.

O maior perigo do colesterol está na ausência de sintomas. Mesmo quando há elevadas quantidades dele no sangue, a condição é silenciosa. Por conta dos riscos para a saúde, o mais recomendado é manter os exames em dia para garantir que os níveis de colesterol estão saudáveis.

O que causa o aumento do colesterol LDL (ruim)?

O excesso de colesterol pode acontecer por diversas razões, entre elas podemos destacar o histórico familiar (genética) e os maus hábitos alimentares.

O nosso corpo produz a maior parte do colesterol através do fígado, e apenas 30% vêm da dieta. Após passar pela corrente sanguínea, o colesterol precisa ser eliminado pelo fígado para formar a bile. Por isso, os níveis de colesterol no sangue também depende da capacidade de remoção do colesterol pelo órgão.

Essa capacidade pode ser maior ou menor dependendo da genética da pessoa. Alguém que tenha um parente de primeiro grau (mãe, pai ou irmãos) com colesterol alto, tem maiores chances de também ter.

“Então se o colesterol é genético, do que adianta dar atenção aos outros fatores?”. Calma lá que não é bem assim. Um estilo de vida saudável também é importante no controle dos níveis de colesterol (bom e ruim), e na redução do risco de problemas vasculares. E se você já tiver um histórico familiar, o cuidado com o estilo de vida precisa ser redobrado.

Além disso, o tratamento adequado, incluindo o uso de medicamentos e as mudanças no estilo de vida, reduzem consideravelmente o risco de mortalidade por infarto e outras doenças desencadeadas pelo problema.

Pequenas mudanças na rotina fazem a diferença no combate ao colesterol

Se você descobriu que está com o colesterol alto, além de realizar os exames periodicamente e fazer o acompanhamento com o seu médico, também adote bons hábitos no seu dia a dia para mantê-lo controlado.

 

  • Melhore a dieta

Quem tem o costume de consumir regularmente alimentos ricos em gordura e açúcar precisa maneirar. O mesmo se aplica a ingestão de alimentos industrializados, como fast foods, salgadinhos e refrigerantes, que possuem alto teor calórico.

Em relação ao que comer, a preferência deve estar nas frutas, vegetais e grãos em geral. Inclua boas fontes de carboidratos e de gordura, de forma equilibrada.

Quanto às gorduras, você deve evitar as gorduras trans e saturadas em excesso, pois são elas as maléficas ao organismo. Exemplos são a margarina e outros produtos industrializados (biscoitos, salgadinhos, embutidos) e a carne vermelha.

As gorduras monoinsaturadas, por outro lado, devem entrar no cardápio com mais frequência, que são as presentes no azeite, abacate, peixes ricos em ômega 3 e oleaginosas, por exemplo.

 

  • Mantenha-se ativo

Praticar regularmente atividades físicas ajuda na prevenção e no controle do colesterol e de outros problemas cardiovasculares. Escolha uma atividade ou esporte que você goste e tente praticá-la pelo menos 3 vezes na semana.

 

  • Pare de fumar

Além de ser extremamente prejudicial à saúde, o fumo reduz os níveis do colesterol considerado bom (HDL) e afeta a elasticidade das artérias.

 

  • Cuidado com o excesso de peso

O peso não está diretamente relacionado ao colesterol alto, já que até mesmo pessoas magras podem ter o problema. No entanto, quem está com o IMC acima de 25 se beneficia com o emagrecimento a partir do aumento dos níveis do bom colesterol.

 

  • De olho no estresse

Atualmente as pessoas são cada vez mais estressadas, principalmente devido ao estilo de vida mais agitado e sem tempo. No entanto, o estresse provoca uma série de alterações no organismo, como aumento da pressão arterial e de hábitos ruins que podem levar ao aumento do colesterol.

Não existe nenhuma receita de bolo ou fórmula milagrosa que reduza o colesterol alto da noite para o dia. Porém, ter uma vida mais equilibrada – com hábitos alimentares melhores e  longe do sedentarismo -, é a principal aliada contra o colesterol, contra as doenças do coração e outros problemas que afetam a saúde e a qualidade de vida.

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.